top of page

Polícia Civil desarticula grupo criminoso que faturou R$ 2 milhões em golpe do seguro


Na manhã desta segunda-feira (18), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu seis suspeitos de integrarem uma organização criminosa que simulava acidentes com destruição de veículos luxuosos para receber valores referentes ao seguro. Estima-se que o grupo tenha recebido aproximadamente R$ 2 milhões em indenizações já pagas. As informações são do site Mais Brasília.


O grupo criminoso atua desde 2015, já simulou 12 acidentes automobilísticos e destruiu 25 veículos. Os acidentes forjados ocorreram nas cidades de Brazilândia, Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Vicente Pires e Brasília e envolveram veículos das marcas Porsche, BMW, Audi, Volvo e Mercedes. Batizada por “Operação Coiote”, a ação policial é coordenada pela 18ª Delegacia de Polícia. Além de cumprir os seis mandados de prisão temporária, a PCDF também cumpriu seis mandados de busca em Taguatinga Norte, Vicente Pires e Ceilândia.


À frente da organização criminosa estavam um empresário de Taguatinga e um ex-policial militar da PMDF, licenciado da corporação em razão da emissão de 150 cheques sem fundos. A dupla adquiria os veículos, registrava as ocorrências e envolvia parentes e amigos nos registros dos acidentes, contratação dos seguros e recebimento das indenizações. A esposa de um dos suspeitos, uma advogada, cedia os dados pessoais para o registro dos acidentes forjados, adquirindo veículos, contratando apólices de seguro e recebendo indenizações.


De acordo com a polícia, os criminosos adquiriam veículos importados de certo tempo de uso e de difícil comercialização, alguns avariados. Estes veículos eram consertados e eram contratados seguros, com valor de indenização correspondente a 100% da tabela Fipe, muito superior ao valor de aquisição e conserto dos carros. Depois de alguns meses de uso, os criminosos provocavam colisão proposital dos veículos, que sofriam perda total. Os investigados revezavam-se na condição de proprietário, contratante do seguro, condutor, terceiro envolvido no acidente e recebedor da indenização, às vezes via procuração. Igualmente para dificultar a investigação, os investigados registravam as ocorrências dos acidentes na Delegacia Eletrônica, afastando questionamentos da polícia judiciária sobre o sinistro. E, e por fim, operava-se o recebimento da indenização do seguro, baseada na tabela Fipe.


Os mandados de prisão e busca foram expedidos pelo Juiz Titular da Vara Criminal e Tribunal do Júri de Brazlândia, que também determinou o sequestro de 20 veículos e o bloqueio do montante de R$ 2 milhões das contas dos seis investigados. Todos os investigados serão indiciados pelo crime de organização criminosa, que prevê pena de reclusão de 3 a 8 anos.


Fonte: https://cqcs.com.br/

18 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page